O que são ETF (Exchange Traded Funds)?

A bolsa de valores vem cada vez se desenvolvendo mais e isso implica também a oferta de uma variedade ainda maior de ativos. Na esteira do crescimento dos investidores, está crescendo também o mercado de ETF. Esse tipo de ativo vem ganhando espaço, sobretudo entre os jovens investidores.

Os ETF se apresentam como uma alternativa simples, especialmente para aqueles que ainda possuem pouca experiência no mercado de renda variável. Dessa forma, é importante conhecer como funciona esse mercado e quais oportunidades e alternativas esse tipo de ativo oferece para os investidores.

O que são ETF (Exchange Traded Funds)?

A sigla ETF significa Exchange Traded Funds. Esse ativo é um fundo de investimento de índice, isso significa que o objetivo desse fundo de investimento é perseguir a variação de um determinado índice. Dessa forma, o gestor desse fundo irá adquirir os mesmos ativos que compõe o índice de referência do ETF.

Como esses ativos são negociados?

Os ETF apesar de serem fundos de investimentos são negociados na bolsa de valores exatamente como ações. Dessa forma, é possível consultar sua cotação e realizar a compra desses ativos diretamente a partir do home broker da sua corretora de valores. Esse é um dos facilitadores desse tipo de ativo.

ETF possui taxa de administração?

Os ETF assim como os demais fundos de investimento possuem taxa de administração. Dessa forma, os investidores que investem nesses fundos irão pagar uma taxa para o gestor desse fundo.

Contudo, apesar dessa taxa existir, em geral, costuma ser uma taxa reduzida em comparação com os demais fundos de investimento do mercado. Essa é inclusive uma marca desse tipo de ativo, o fato de ser uma opção barata para quem deseja investir no mercado de renda variável a partir de fundos de investimento.

A taxa desse tipo de fundo é reduzida justamente porque esse fundo é constituído com o objetivo de acompanhar a variação de um índice. Dessa forma, o gestor possui um trabalho menor para administrar o fundo, dado que ele não precisa ficar operando constantemente como geralmente ocorre em fundos de investimento em ações convencionais.

Origens dos ETFs

Como apontado, os ETFs são fundos de investimento de índice e esses fundos foram criados pelo investidor americano John Bogle entre as décadas de 1960 e 1970. Bogle era administrador da gestora de ativos Vanguard, a qual inclusive é a maior provedora de ETFs até os dias atuais e foi a partir da estrutura da gestora que esses fundos foram criados.

Bogle acreditava que os fundos de investimento cobravam taxas de administração e de performance muito altas de seus clientes e isso acabava por prejudicar a rentabilidade dos investidores. Nesse sentido, ele criou os fundos de índice, cujo principal objetivo era acompanhar índices de referência das bolsas de valores que já muitas vezes já existiam.

Como o objetivo do fundo era apenas acompanhar a rentabilidade do índice, os gestores desses fundos precisavam apenas manter nos fundos a mesma proporção de ativos que compunham os índices de referência. Como esse trabalho de gestão era mais simples e demandava menos trabalho, esses fundos poderiam ter taxas de administração reduzidas.

Dessa forma, a criação desse tipo de fundo de investimento seria um atrativo, especialmente para pequenos e médios investidores, visto que investir nesses fundos era uma possibilidade de investir em um fundo de ações e com taxas baixas. Dessa forma, os efeitos dos custos operacionais não pesariam sobre as suas carteiras de investimentos.

Bogle em seus livros e artigos não costuma poupar críticas aos grandes fundos de investimento do mundo. Segundo esse investidor, esses fundos cobram taxas abusivas dos clientes e no longo prazo não entregam uma rentabilidade superior à média do mercado para os seus clientes, entre outras críticas.

Warren Buffet sobre John Bogle

Warren Buffet, um dos maiores investidores da história, costuma dizer que ninguém na história do mercado financeiro mundial, fez mais pelos pequenos e médios investidores do que John Bogle. Segundo ele, a criação dos fundos de índice e posteriormente a conversão em ETFs, colaborou muito para melhorar a rentabilidade desse perfil de investidor.

Tipos de ETF

Existem uma gama variada de tipos de ETFs e de diferentes classe de ativo no mercado, especialmente no mercado internacional. É possível até mesmo ter uma carteira diversificada investindo apenas em ETFs, visto a grande variedade desse tipo de ativo.

ETFs de ações

Os ETFs de ações são os mais tradicionais no mercado e também são os que mais possuem operações na bolsa de valores. Esses ETFs acompanham índices de ações como o IBOV, IBRx-50, IBRx-100 e também índices de outras bolsas de valores como o S&P 500. Entre outras coisas, esse tipo de ETF possibilita uma variação de estratégia, como ETFs que investem em ações boas pagadoras de dividendos, como é o caso DIVO11 no Brasil.

Ainda sobre os ETFs de ações, há outros índices que separam essas ações em grupos mais específicos como IGCT, índice que acompanha as ações com bons padrões de governança corporativa ou ICO2, índice que acompanham as ações de empresas que adotam práticas que respeitem o meio ambiente e os limites para emissão de gás carbônico (CO2).

ETFs de Renda Fixa

Os ETFs de renda fixa, em grande medida, acompanham índices que aglutinem alguns títulos dessa classe de ativo. A maior parte desses ETFs no Brasil são ligados a índices que acompanham os títulos do Tesouro Direto.

Nesse sentido, existem ETFs atrelados ao índice IMAB que acompanha os títulos públicos indexados à inflação, IMAB 5+ que é um índice similar ao anterior mais seu portfólio é apenas com títulos públicos indexados à inflação com prazo maior de 5 anos ou IFRM, índice que acompanha títulos prefixados com duração superior a 2 anos, entre outros.

ETFs cambiais

Os ETFs cambiais são ETFs ligados à variação cambial de uma moeda com relação à outra. Os ETFs mais tradicionais desse tipo são atrelados ao dólar. Todavia, em muitas bolsas de valores do mundo é comum encontrar ETF indexados à outras moedas como o euro, franco suíço, iene do Japão, renminbi da China, entre outras moedas.

Esse tipo de ETF ainda não está disponível na bolsa brasileira. Dessa forma, para o investidor que deseja realizar investimento cambial sem investir fora do país, deve procurar ativos como fundos de investimento cambial ou ainda derivativos contratos ou mini contratos de dólar, por exemplo.

ETFs de commodities

Os ETFs de commodities apesar de ainda não existirem no Brasil, são ativos muito comuns em outras bolsas de valores ao redor do mundo. Em relação a esse tipo de ETF, destacam-se os ETFs ligados a metais preciosos, como ETF de ouro e ETF de prata. Esse tipo de ativo é comum na bolsa de Nova Iorque e na bolsa de Londres.

Além de metais preciosos, é possível encontrar ETFs ligados a outros tipos de commodities, como soja, leite, entre outros produtos agrícolas. Além disso, também é comum encontrar ETFs ligados à minerais e especialmente ao mercado de petróleo.

Um ETF ligado em certa medida à commodities e que deve ganhar espaço no mercado, são os ligados ao mercado de cannabis. Após a legalização nacional em países como Canadá, Uruguai e México e legalização na maior parte das federações dos Estados Unidos, esse tipo de investimento vem ganhando ainda mais destaque.

Após a eleição de Joe Biden em novembro de 2020, as ações e ETFs ligados a esse mercado subiram. Esse fator ocorre devido à expectativa de que haja uma legalização federal do uso recreativo da cannabis e, portanto, os ETFs desse setor devem ter uma expansão junto com o mercado.

ETFs de setores específicos da economia

Por fim, outro tipo de ETF muito comum são os ETFs ligados a alguns setores da economia. Alguns exemplos desses ETFs que podem ser listados são ETFs ligados aos setores de construção civil, financeiro, energia elétrica, saneamento básico, entre outros.

Esse tipo de ETF é tem mais diversidade em outros mercados, contudo, no Brasil há dois ETFs desse tipo. O MATB11 e o FIND11. O primeiro é um ativo atrelado ao segmento de materiais básicos, enquanto o segundo é um ETF ligado às empresas do setor financeiro que são listadas na bolsa brasileira.

Mercado de ETF no Brasil

Apesar dos ETF existirem desde a década de 1980 no mercado financeiro americano, no Brasil esse é um ativo relativamente novo. O primeiro ETF brasileiro foi criado em 2004 e o mercado passou a se expandir de fato apenas na década seguinte, quando começaram a surgir novos ETF atrelados à diferentes estratégias de investimentos.

Dessa forma, no ano de 2020 no Brasil, existem 18 ETF listados na bolsa de valores brasileira. Entre esses ETF há ativos que acompanham índices variados que possibilitam ao investidor uma variação grande de estratégia.

Existem ETF ligados ao índice de distribuição de dividendos (IDIV) como o DIVO11, ao índice de small caps (SMLL), caso do SMAL11, ao índice de governança corporativa (IGCT), ETF GOVE11, ao próprio índice Ibovespa (IBOV), BOVA11, e até mesmo ao índice S&P das bolsas de valores do Estados Unidos, IVVB11.

Lista de ETF da bolsa de valores brasileira

A lista de ETF listados na B3 não é tão extensa como a de outras bolsas ao redor do mundo. Todavia, ela apresenta uma gama de oportunidades que pode ser interessante para os investidores que ainda estão se habituando ao mercado de renda variável.

BB ETF S&P DIVIDENDOS BRASIL FUNDO DE ÍNDICEBBSD11
CAIXA ETF IBOVESPA FUNDO DE INDICEXBOV11
ETF BRADESCO IBOVESPA FDO DE INDICEBOVB11
ISHARES S&P 500 FDO INV COTAS FDO INDICEIVVB11
ISHARES IBOVESPA FUNDO DE ÍNDICEBOVA11
ISHARES IBRX – ÍNDICE BRASIL (IBRX-100) FDO ÍNDICEBRAX11
ISHARES ÍNDICE CARBONO EFIC. (ICO2) BRASIL-FDO ÍNDECOO11
ISHARES BMFBOVESPA SMALL CAP FUNDO DE ÍNDICESMAL11
MIRAE ASSET RENDA FIXA PRE FUNDO DE ÍNDICEFIXA11
IT NOW IBOVESPA FUNDO DE ÍNDICEBOVV11
IT NOW IDIV FUNDO DE ÍNDICEDIVO11
IT NOW IFNC FUNDO DE ÍNDICEFIND11
IT NOW IGCT FUNDO DE ÍNDICEGOVE11
IT NOW IMAT FUNDO DE ÍNDICEMATB11
IT NOW ISE FUNDO DE ÍNDICEISUS11
IT NOW PIBB IBRX-50 – FUNDO DE ÍNDICEPIBB11
IT NOW S&P500 TRN FUNDO DE INDICESPXI11
IT NOW ID ETF IMA-BIMAB11
 

Mercado de ETF no exterior

As opções para investimentos em ETF em no mercado financeiro internacional oferece ainda mais oportunidades em comparação ao mercado brasileiro. Em outros países há a possibilidade de investimento em ETF de setores específicos da economia, bem como ETF ligados à metais preciosos, por exemplo.

Inclusive as possibilidades mais simples para investimentos em determinados metais preciosos, como prata, é o investimento em ETF de prata na bolsa de NY. Dessa forma, há fundos de investimento brasileiros que abrem o fundo apenas para comprar esse tipo de ativo. Dessa forma, uma alternativa para comprar ETF na bolsa dos Estados Unidos é o investimento em fundos de investimento brasileiros que tem como objetivo investir nesse tipo de ativo.

Vantagens do investimento em ETF

Os ETF são ativos muito simples de serem entendidos possibilitam uma série de vantagens para os investidores que optam por esse tipo de investimento. Dessa forma, vamos listar alguns dos principais pontos que com relação a esses fundos.

Baixo custo para o investidor

Uma alternativa comum para o investidor de renda variável que não tem tanta familiaridade com o mercado a ponto de escolher em quais ações investir é investir em fundos de investimento de ações. Todavia, a maior parte desses fundos costuma praticar taxas de administração de cerca de 2% e também taxas de performance que variam de fundo para fundo.

Dessa forma, uma das principais vantagens do ETF é possibilitar investir em fundo de investimento de ações a custo baixo. Há ETF cujo custo de administração é de cerca de 0,2%, ou seja 10% do valor cobrado nos fundos de investimento convencionais.

Diversificação dos investimentos

DIVO11 - diversificação

Os ETF também possibilitam que os investidores diversifiquem seus investimentos sem abdicar de manter seu capital no mercado de renda variável. Nesse sentido, é possível até mesmo investir em ETF que acompanham índices do mercado de renda fixa como IMAB ou ainda índices de bolsas de valores do exterior, como o S&P 500.

Além disso, as opções de investimento ofertadas nesse tipo de fundo são variadas o suficiente. Dado que é possível investir em ETF que acompanha o índice Ibovespa, é possível investir em Small Caps ou ainda caso seja um tipo de investidor mais conservador é possível investir com foco em dividendos, a partir de ETF como DIVO11 e BBSD11.

Ideal para pequenos e médios investidores

Em geral, o peso das taxas de administração acaba pesando mais para pequenos e médios investidores. Dessa forma, os ETF são ativos ideais para esse tipo de investidor. Dessa forma, mesmo os jovens investidores conseguiriam diversificar sua estratégia de investimento sem tomar o risco de uma única ação.

Além disso, para investidores iniciantes, aprender a mitigar riscos é importante. Dessa forma, uma boa forma de começar a aprender a realizar essa gestão é a partir de ETF. Dado que são uma forma de diversificação a um baixo custo de carregamento ao longo do tempo.

Desvantagens de investimento em ETF

Assim como outros ativos, os ETF também possuem algumas desvantagens que é importante salientar. Nesse sentido, destacam-se duas que é a não isenção de Imposto de Renda e também o custo, apesar de baixo.

Falta da isenção de Imposto de Renda

Para quem está habituado ao mercado de renda variável já deve saber que quando um investidor vende ações com lucro em um montante menor que R$ 20 mil no mês ele é isento de recolher Imposto de Renda sobre o lucro auferido. Todavia, essa isenção não existe para os ETF.

A isenção não existe para esse tipo de ativo porque apesar dele ser operado na bolsa como se fosse uma ação, ele ainda é um fundo de investimento. Dessa forma, quando você realiza a venda desse ativo com lucro é necessário realizar o cálculo de 15% sobre o lucro auferido na venda do ETF a título de IR.

Existência de taxa de administração

Apesar da taxa de administração dos ETF ser baixa, ela ainda existe e no decorrer do tempo fará diferença sobre a rentabilidade do investidor. Dessa forma, é recomendável que no decorrer do tempo, o investidor vá aprimorando os seus conhecimentos para poder comprar diretamente as ações que encaixam dentro da sua estratégia de investimentos.

Contudo, vale ressaltar que existem investidores que mesmo com muitos anos de experiência preferem terceirizar a gestão dos seus investimentos a um gestor de fundos. Portanto, vale ressaltar que ambas as opções são válidas e vão de acordo com a estratégia de cada um para tornar a sua carteira mais eficiente.

Considerações finais

O investimento em ETF é uma das modalidades que mais se expandem dentro do mercado brasileiro. A abertura de novos ETF já está inclusive no radar das principais gestoras do Brasil como a It Now do Itaú e a provedora internacional de ETF, a BlackRock. Dessa forma, esse é um mercado que tende a crescer ainda mais.

Além disso, o fato do número de novos investidores na bolsa de valores brasileira ter aumentado nos últimos anos aumenta ainda mais a atratividade desses fundos. Como ele possibilitam investimento em renda variável de forma simples e a baixo custo, é uma das alternativas mais procuradas no começo. Dessa forma, os ETF são ativos que merecem cada vez mais a atenção de todos os investidores.

Por Vinicius Brandão

É economista e autor em portais econômicos educacionais.

Posts Relacionados

Itaúsa tem lucro 123% maior no 1º trimestre

Por Vinicius Brandão

Direcional: lucro salta 170% no primeiro trimestre

Por Vinicius Brandão

Intelbras reverte prejuízo e lucra R$ 89 milhões no 1º trimestre

Por Vinicius Brandão

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *